WebMail  


Previsão do Tempo

28/05/2018 - Segunda-feira

Apucarana

25
13
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Aquidaban

24
14
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Bom Sucesso

26
15
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Borrazópolis

25
12
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Cambira

24
13
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Campo Alegre de Goiás

25
13
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Catalão

26
13
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Cristalina

23
12
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Abrafrigo: STF terá chance de restaurar a segurança jurídica para o agronegócio

16/05/2018 - 17:11:00 
Tânia Rabello


São Paulo, 16 - A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) disse nesta quarta-feira, 16, em nota que o Supremo Tribunal Federal (STF) terá na quinta-feira, 17, "uma grande oportunidade para restaurar a segurança jurídica para o produtor rural e para empresas do setor do agronegócio brasileiro".

Nesta quinta-feira, está prevista a votação, pela Suprema Corte, dos embargos relativos à cobrança do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), quando os magistrados definirão, principalmente, se a dívida do setor agropecuário relativa ao tributo é ou não retroativa.

Trata-se, segundo a Abrafrigo, de uma ação "decisiva" (no STF) para consolidar o entendimento da corte sobre a contribuição e sobre seus efeitos sobre produtores e empresários rurais de todo o Brasil, "quando se criou um passivo tributário de bilhões de reais".

Em março de 2017, o STF julgou que "é constitucional, formal e materialmente, a contribuição social do empregador rural pessoa física, instituída pela Lei 10.256/2001, incidente sobre a receita bruta obtida coma comercialização de sua produção".

Para o presidente da Abrafrigo, Péricles Salazar, o Supremo terá uma "oportunidade histórica" de corrigir "uma grande injustiça". Ele justifica sua afirmação lembrando das votações na corte sobre o tributo: "O STF julgou o tributo inconstitucional em 2010 e 2011", conta.

"Baseados nesses dois julgamentos, muitos produtores e empresas deixaram de recolher a contribuição. No entanto, em 30 de março de 2017, a Suprema Corte mudou o entendimento e declarou a cobrança constitucional", continua Salazar. "Com a determinação, todo produtor e empresa que deixou de recolher tornou-se devedor de um imenso passivo previdenciário."

A Abrafrigo informa, ainda, que é signatária do manifesto publicado nos meios de comunicação nesta quarta-feira, com mais 35 entidades do agronegócio do País. Segundo o manifesto, "a não modulação dos efeitos da decisão de abril de 2017 resultará em grande impacto na produção nacional, afetando diretamente a economia dos municípios, dos Estados e do País, com incalculáveis impactos sociais, decorrentes das pressões inflacionárias e do fechamento de postos de trabalho diretos e indiretos e induzidos pelo agronegócio", diz a nota da entidade.

Últimas Notícias

 
COOPERATIVISMO IMPRENSA
 
RECURSOS HUMANOS CONTATO
 
 
COCARI
COCARI - Cooperativa Agropecuária e Industrial
Rua Lord Lovat, 420 - Jardim Esplanada
CEP: 86975-000 - Mandaguari - PR
Fone: (44)3233-8800
Entre em contato conosco
Copyright © 2015 COCARI - Todos os direitos reservados